quarta-feira, 27 de maio de 2009

Qual é a função da arte?

Qual é a função da arte?

• A arte tem acompanhado os seres humanos ao longo de sua existência e sua presença pode ser verificada na vida das pessoas desde a pré-história(com os desenhos rupestres) até os dias de hoje, com as diversas configurações da Arte Contemporânea.

• Mas o que é arte, afinal?
DIVERSAS VISÕES
• Imagine entrar em um museu para uma exposição onde o artista apresenta fotografias e ver que se trata do registro de uma cirurgia plástica na qual o mesmo está sendo submetido, não para corrigir alguma imperfeição no seu corpo e sim para transforma-lo em um cão.

• Deparar-se com a Arte Contemporânea, à primeira vista, parece difícil.

• É que por muito tempo aprendemos que a arte deveria refletir “o belo”, a harmonia, a “perfeição divina”, como afirmou Michelangelo no século 15.

• Hoje vivemos cercados por contradições e estímulos. Os avanços tecnológicos, a sociedade de consumo, as novas relações sociais determinam nossa forma de pensar omundo e, por consequência como o expressamos.

• Se na época de Michelangelo os artistas podiam passar horas contemplando uma bela paisagem, hoje é muito difícil fazê-lo sem pensar no possível engarrafamento da volta ou uma questão de segurança pública e violência.

• Além do mais, desde o atributo da fotografia em 1839, surgiu a necessidade de repensar a forma como representar o mundo em que vivemos.

• Movimentos como o Impressionismo, o Expressionismo, o Surrealismo e o Cubismo são exemplos deste novo modo de pensar a arte ao longo da história.

• Mas o tempo não pára e nos anos de 1960, com o surgimento de novas mídias e tecnologias, surgiu o que se convencionou chamar de ARTE CONTEMPORÂNEA.
Para transformar a realidade
• Se antes procurávamos encontrar a perfeição, o belo ou expressar nossos sentimentos, a arte de nosso tempo tenta apreender o cotidiano e suas problemáticas, lançando mão dos mais diversos materiais e suportes.

• A Arte Contemporânea não exige pinceis, tintas, cavaletes e, sim, inventividade e experimentações, a busca por diferentes técnicas e poéticas. Cada artista procura sua própria linguagem.

• Neste panorama, refletir, por exemplo, sobre os questionamentos que nos levanta o artista ao utilizar fotografias e manipulação digital para se transformar em um cão, faz com que tenhamos de ir além de simples comentários como “gostei” ou “não gostei”.

• Ler e produzir a arte desses novos tempos requer um exercício maior de percepção e criticidade. Deve-se saber que o desenvolvimento artístico não é uma dádiva inerente a certos indivíduos, mas o resultado de formas complexas de aprendizagem que podem ser estimuladas ao longo de nossas experiências de vida.

• Neste sentido o papel fundamental da escola é propiciar essas experiências, fazer com que o aluno tenha contato com produções contemporâneas, em visitas a exposições ou com reproduções.

• Refletir, discutir, estimular opiniões a respeito dos trabalhos e obras que viram, reproduzir e produzir explorando diversas técnicas, experimentando os mais diversos materiais, estudar a história da arte analisando suas transformações, são caminhos que contribuem para a educação neste campo.

• Ler e produzir nesta nova forma de pensar exige exercitar a criatividade e daí a dimensão extremada da arte. Ela nos possibilita trabalhar no campo da fantasia e dos sonhos. Com a arte podemos criar e recriar o mundo e este exercício criador nos fortalece para transformar, inclusive, a realidade à nossa volta.

• “Por meio da arte é possível desenvolver a percepção e a imaginação, apreender a realidade do meio ambiente, desenvolver a capacidade crítica, permitindo ao indivíduo analisar a realidade percebida e desenvolver a criatividade de maneira a mudar a realidade que foi analisada.”
• (Ana Mae Barbosa, em Inquietações e mudanças no ensino da arte)

• Enfrentar as dificuldades e inaugurar um novo tempo.
Questões para debate
• 1 – A arte exerce algum papel de importância na sua vida? De que maneira?
• 2 –Procure imaginar um mundo sem nenhuma expressão artística(pinturas, esculturas, música, arquitetura, etc.) Como ele seria?
• 3 – Falta ou sobra ao mundo esse deslumbramento e a criticidade que a arte proporciona?

• Mundo Jovem, março 2007,pg 21, arte e cultura
• Gleyce Heitor, graduada em História, atua como mediadora no Instituto Ricardo Brennand e no Projeto Primeiro Olhar da Fundação Joaquim Nabuco, em Recife,PE.
• gkheitor@gmail.com
• Walmir Arcanjo,pedagogo e arte-educador em Recife e Olinda, PE.
• 13arcanjo@gmail.com

Um comentário:

Mariana disse...

Gostei do blogue ;)

Boa semana ;)bj